sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

O Carnaval e o Serrar da Velha


Carnaval e Entrudo são palavras com etimologias diferentes mas com significado igual para o período que vai desde o domingo da Septuagésima até à quarta-feira de cinzas.
É com o aparecimento da cultura cristã que o Entrudo nos aparece com celebração ligada ao período de abstinência imposto durante os quarenta dias da Quaresma.
Seja como for o Carnaval ou Entrudo será uma festa cujo significado e vivência estará sempre de acordo com a cultura de cada região. Não deixa também de ser uma festa de liberdade, onde tudo é permitido fazer-se de acordo com as tradições locais. E onde preceitos e bons costumes tendem a ser esquecidos para permanecer durante três dias o quase “vale tudo”. È mesmo um período que goza de muita permissividade e afincada sátira à sociedade em especial aos políticos. O divertimento carnavalesco foi, desde sempre, irreal e utópico mas, do verdadeiro Carnaval já pouco resta. Tem sido substituído por festas imitativas do Carnaval Brasileiro, samba e corpos quase nus.


Na minha aldeia havia a tradição de correr o Entrudo até à aldeia vizinha. Este consistia em levar um boneco feito a preceito com matérias-primas diversas e vestido a rigor com indumentária de cariz carnavalesco. Reunia-se o grupo de guerra sempre bem mascarado, que avançava em direcção à aldeia escolhida para ir deixar o Entrudo, tudo decorria calmamente até conseguir com que o Entrudo (boneco) ficasse dentro da povoação vizinha. Tarefa terminada com sucesso havia que bater em retirada com grande alarido. O que por vezes corria mal dado que havia outro grupo alerta da aldeia oposta esperando os intrusos e entre pedradas e umas pauladas, ganhava quem corria mais rápido. Mas tudo acabava sempre em boa harmonia. Era festa, era Carnaval! Tudo se aceitava. Cumpria-se a tradição. 

Outra tradição que nas beiras também fazia parte desta quadra, era o serrar da velha a meio da Quaresma. Era uma tradição exclusivamente feita por solteiros. Todos se apetrechavam, envergando desde os velhos e grandes chocalhos, aos mais inusitados instrumentos arranjados para fazer barulho. O sino da torre da igreja acabava de dar as doze badaladas da meia-noite e eles aí vão. Acompanhados de um cortiço e um pau ou algo que imitasse o barulho de serrar, e entre grande algazarra, chocalhadas e outros instrumentos, paravam à porta da mulher mais idosa da aldeia de preferência que fosse solteirona e entre cantorias indicadas para a ocasião e sempre com alguma malícia vai de serrar no cortiço gritando serrar a velha serrar velha. Claro que muitas vezes terminava com um grande penicada por cima dos intervenientes, já reservada desde umas semanas atrás pois a situação já era prevista e afinal a idade também traz experiência.
Texto publicado no blog www.aldeiadaminhavida.blogspot.com/. Visite, desfrute da leitura e vote no seu texto preferido.
Boas leituras.

10 comentários:

Paula Santa Cruz disse...

Boa noite,
Mais um bonito texto, no verão passado foi-me contado a história do "Velho do Entrudo" em que os jovens dos anos 40/50 faziam essa brincadeira, na altura achei muito engraçado. Ao que parece os do Cadafaz faziam essa brincadeira com os do Carvalhal.
Bom Carnaval.
Cumprimentos
Paula

Acácio Moreira disse...

Olá Paula!
É realmente verdade que a brincadeira do Velho do entrudo existiu e creio que para além dos anos 50, embora com menos frequência. E quando foquei esse episódio estava realmente a falar do Carvalhal/ Cadafaz. São duas aldeias que não fazendo parte da mesma freguesia sempre existiu um bom relacionamento entre os habitantes.
E então para quando a sua colaboração nos textos da aldeiadaminha vida?. Creio que sabe do que estou a falar.
Você tem belos textos com histórias muito lindas e adquadas aos temas postados no Blog da aldeia. Vamos a isso?
Cumprimentos
Acácio

Paula Santa Cruz disse...

Boa tarde,
É verdade que antigamente havia muito convivio entre as duas aldeias, pelo o que a minha mãe conta, os jovens do tempo dela, estavam sempre á espera que os rapazes do Carvalhal chegassem com as suas concertinas para fazerem o tradicional baile do domingo.
A Eugénia (minha cunhada) já me desafiou a escrever textos para a Aldeiadaminhavida, mas não tenho textos para participar, por ter crescido em França e lá não haver estas tradições. O Sr. Acácio e a Eugénia já representam muito bem o concelho de Góis.
Cumprimentos
Paula

Helena Teixeira disse...

Olá amigo Acácio!
Isso é verdade,a Eugénia e o Acácio formam a dupla imbatível de guias do concelho de Góis e fazem-no muito bem.Eu estou sempre a aprender tradições e coisas novas,pois tou como a Paula,nasci e cresci em França até aos meus 17 anos.Mas tenho de discordar num ponto:a tradição francesa do Carnaval reside noutros costumes: a "Chandeleur" (N.Sra.das Candeias) e fazem crepes durante o tempo do Carnaval.A maluquice é atirar ovos,farinha e espuma de barbear uns aos outros nas escolas (nunca achei piada a isso).Agora máscaras e desfiles,não há esse uso e fiquei espantada quando li que a origem do Carnaval tinha começado em Paris...

Jocas gordas
Lena

P.S: a blogagem começa amanha e o seu texto sai dia 24 :) A Eugénia antecipou-se,ihihih...mas já li os dois e tou a ver que vocês os dois eram danados para as partidas ;)

M. Lourdes disse...

Amigo Acácio
Não conhecia o costume do "serrar da velha". Bem engraçado, mas mal cheiroso de certeza...
É este partilhar de conhecimentos, um dos aspectos positivos que mais aprecio na internet.
Beijinhos

José Pinto disse...

Amigo Acácio
Tem aqui um excelente texto sobre as tradições do Carnaval. Está muito bem estruturado e tem imensa graça. Não conhecia essa brincadeira do "Serrar a Velha". Deu para rir!
Um abraço.

Sandra disse...

Muito interessante o seu texto,Acacio.
Relamente, cada lugar, região, tem suas respectivas comemorações. seus costumes e tradições.

Ola amigo!
Também estou participando da Coletiva.
Por isso vim convidar para brincarmos o carnaval..Passe lá.
Estou na Coletiva da Minha aldeia, com o blog http://sandrarandrade7.blogspot.com.
Te espero no blog para conferir e brincar este carnaval.
Vou te espear por lá.
Com muito carinho
Sandra

Helena Teixeira disse...

Olá Amigo Acácio!
Ah,está divertido a pregar partidas de Carnaval,aposto!
Amigos do amigo Acácio,depois quero ver-vos a todos a comentar o seu texto no dia 24,lá na Aldeia.Combinado?

Jocas gordas
Lena

Eugenia Santa Cruz disse...

Amigo Acácio!

Mais uma linda historia dos nossos tempos. O nosso Entrudo era realmente muito bonito para a época. O ir ao baú e usar roupas antigas, rasgar um pano e fazer dois buracos para os olhos, um para o nariz, outro para a boca, colocar aquelas barrigas grandes….Digam lá que não era um Entrudo genuíno! O boneco de palha para assustar etc….
Obrigada Paula Santa Cruz , Sandra e Helena pelos comentários, mas é sempre um prazer relembrar os tempos de juventude (bem eu ainda só uma Jovem!...) mas já tive o privilégio de viver todas estas historias.

Um Beijo
Eugenia Cruz

Acacio Moreira disse...

Olá!
a todos vós.
Antes de mais obrigado pelos vossos simpáticos comentários. Peço desculpa por ter andado um pouco distante. Resolvi fazer uma escapadinha até ao Algarve e dar uma espreitadela ao Carnaval de Loulé, Claro que sem computador na bagagem. Mas o S. Pedro não foi nada meu amigo e resolveu começar a mandar uma chuva bem gelada quase no inicio do desfile que me fez fugir. E assim pouco pude apreciar dum Carnaval tão famoso como este. Mas enfim já regressei. Vou ver se consigo mais um tempinho para dedicar ao blog e fazer mais umas aparições pelos vossos cantinhos.
Cumprimentos.
Acácio